Copyright 2010 Mestre Arfaern. All rights reserved. Web Hosting by Yahoo

Mestre Arfaern, São Paulo, São Paulo , Brazil
dom@mestrearfaern.com
Aos que precisam de ajuda e esclarecimento sobre BDSM, e só mandar email para mim, com prazer estarei ajudando aos que precisam
Má dor

Uma boa dor e uma dor ruim são termos utilizados de forma leve por praticantes de BDSM, significando
que, enquanto o BDSM pode incluir uma dor consensual de elemento (muitas vezes bastante
pronunciada), há um propósito para isso, e alguma dor é consentida e aceita enquanto outra dor não é.
"Dor ruim" é a dor que está fora dos limites rígidos, não mútuos ou não valorizados, não desejados e de
valor limitado ou nenhum neste contexto.

Uma boa dor e dor ruim se referem a dor agradável ou desagradável. Como um exemplo de "baunilha",
imagine dor depois de um bom treino no ginásio contra a dor de quebrar uma perna. O autor Jay
Wiseman sugere uma correlação entre a percepção de "dor ruim" durante o jogo do BDSM e subseqüente
lesão.
Maieusofilia

Consiste em sentir excitação sexual pela visualização de partos.
Mão Fetichismo (Partialism mão)

é o fetiche sexual para as mãos. Isso pode incluir a atração sexual para uma área específica, como os
dedos da palma, ou pregos, ou a atração de uma ação específica realizada pelas mãos, o que pode ser
considerado de outra maneira não-sexual - como lavar ou secar os pratos. Esse fetiche pode se manifestar
como um desejo de experiência de interação física, ou como uma fonte de fantasia sexual.
Marcas

Resultantes de torturas. A grande arte do sádico está em saber adequar as marcas (sua intensidade e
tempo de permanência) às possibilidades de exposição da escrava, não causando-a, assim, qualquer
infortúnio pessoal ou profissional que contraria a segurança da relação (SSC).
Marcas de Propriedade

Adereço que denote e demonstra que a escrava é propriedade/posse de um Dono. Pode ser de diversos
tipos, desde um pingente ou brasão na coleira, um piercing, brinco vaginal, anel, tatuagem ou mesmo um
tipo específico de nick “escrava do Mestre” ou um adendo ao nick da escrava “escrava{M}” ou, no caso
das minhas escravas, o “J_(escrava)”. A “marca de propriedade” não é o objeto em si (a coleira, a
tatuagem, o anel, o piercing ou o nick), mas o desenho, o símbolo ou o brasão constante no mesmo, que
este sim denota a propriedade.
Máscara

Utilizada não só para preservar a identidade, tanto dos Mestres quanto das escravas, mas também como
utensílio de humilhação ou até tortura (esta com o uso de máscaras de ferro, incomodo ou total privação
de sentidos e/ou movimentos).
Máscara Feminino

é um sub-formulário de cross-dressing que envolve, além do uso de roupas femininas, uma máscara
(geralmente feita de látex) que dá uma representação pseudo-real de um rosto feminino.
Masmorra

Ver “Calabouço”.
Masoquismo

A capacidade de derivar prazer da dor, prazer ao sentir dor ou imaginar que a sente.
Mayday ( Socorro )

Típica / freqüentemente usado Safeword - tipo de padrão internacional Safeword
Médica Jogo Fetichismo

Refere-se a uma coleção de fetiches sexuais para objetos, práticas, ambientes e situações de natureza
médica ou clínica. Isso pode incluir a atração sexual por médicos, uniformes médicos, anestesia, cirurgia
ou exames íntimos, como o exame retal, exame ginecológico, a temperatura retal, tendo, cateterismo,
enemas, injeções, a inserção de supositórios, copos menstruais e massagem prostática, ou médicos
aparelhos ortopédicos, tais como moldes e aparelhos ortopédicos (ver também abasiophilia).

Além disso, o campo da odontologia e objetos, como aparelho ortodôntico, retentores ou capuzes,
mordaças e médicos.  Dentro da cultura BDSM, uma cena médico é um termo usado para descrever a
forma de jogar o papel no qual fetiches específicos ou gerais médicos são cedermos aos de um indivíduo
ou encenados entre os parceiros.
Meias fetichismo ( Panty)

é a crença de que calcinha (ou roupa interior feminina) contém uma força intrínseca sexual.
Comportamento fetichista pode envolver a partilha de exposição de material impresso ou eletrônico que
descreve de calcinhas, geralmente de natureza softcore, ou visão direta e contato físico com a calcinha.

Monitor de Masmorra (Dungeon Monitor, DM)

É uma pessoa que supervisiona as interações entre os participantes de uma festa de jogo ou masmorras
para fazer cumprir as regras da casa - essencialmente, o exagero de um evento BDSM. Às vezes eles
também desempenham um papel de produtor para manter a festa.
Menofilia

Atração ou excitação por mulheres menstruadas.
Mentor

É desde o início restrita ao objetivo de disseminar, discutir e aprimorar o pensamento e a cultura BDSM.
Se daí surgir alguma "pupila" em especial por quem ele se interesse, ele passará então a ser Mestre dela,
não Mentor “dela”. Desta forma, o Mentor não estaria associado a uma relação direta com escravas, como
o Mestre, mas sim a uma relação com o meio BDSM como um todo. Inclusive, complete-se que o Mentor
nem mesmo tem que ser obrigatoriamente um praticante ativo no BDSM, uma vez que pode-se até
classificar como mentores alguns(mas) escravos(as) quando eles, de alguma forma, criam, desenvolvem,
aprimoram, discutem, ensinam e proliferam a cultura e o pensamento BDSM a outros praticantes, até
mesmo ativos.
Merkin

Peruca genital feminina, que pode tanto substituir pêlos ausentes como cobrir os existentes de uma cor
com pêlos de outra cor. O termo tem origem desconhecida, mas sabe-se que na Europa medieval,
designava o pêlo pubiano natural da mulher e também seus os próprios genitais.
Mesa Esticadora

Móvel muito utilizado para torturas medievais, que consiste numa mesa onde a escrava é presa numa
ponta pelos pés e na outra pelas mãos e, por uma das pontas a corda ou corrente que a prende é enrolada
numa roldana, puxando a escrava  até o máximo de esticamento de seu corpo.
Mestre

É aquele que educa, ensina, orienta e mostra os caminhos do BDSM para a escrava. Ajuda-a a evoluir, a
se descobrir, a se desenvolver e se assumir dentro do vasto universo desta nossa fantasia. Com sua
prática, experiência e coerência, pode propiciar à ela a descoberta de suas tendências, de seus anseios,
seus limites e suas preferências e características. É acima de tudo, um amigo, um parceiro e um guru.
Num comparativo, os termos "dominador e sádico" estariam mais ligado à prática do BDSM, enquanto
"Mestre" estaria ligado à doutrina, ensinamento e pensamento. Desta forma, um Mestre na sessão (seja
ela real ou virtual) estaria exercendo também as características de dominador e/ou sádico.
Misandria

Aversão patológica de mulher por homem, devido a fatores como lesbianismo, medo de gravidez etc.
Misofilia

Prática envolvendo sujeira.
Mixoscopia

Prazer em assistir a atos sexuais.
Molhado e bagunçado (WAM) fetiche

é uma forma de fetichismo sexual pelo qual uma pessoa fica excitada quando as substâncias são
deliberadamente e generosamente aplicado sobre a pele nua, ou para as roupas as pessoas estão usando.
As substâncias sujas podem incluir creme, lama, espuma de barbear, creme, pudim, molho de chocolate,
creme de estilo japonês, pintura, óleo ou gunge / lodo, substâncias etc Wet são principalmente água, mas
também pode incluir outros líquidos, como suco de frutas ou leite.  Os fluidos corporais tais como fezes,
urina, esperma e ejaculação feminina não são considerados parte da WAM. Os dois primeiros são
considerados tipicamente coprofilia e urophilia, sendo este último um pouco mainstream na pornografia.  
Parte do conhecimento actual do fetichismo molhado e bagunçado é devido ao fetiche da revista britânica
splosh!, fundada em 1989, apesar de cenários semelhantes têm sido um pilar de outras revistas britânicas,
como Fiesta. Splosh com fotos de e histórias sobre as mulheres em situações molhado e bagunçado,
embora sua produção tenha desacelerado recentemente. Isto tem levado a palavra "sploshing"sendo
usado como uma espécie de taquigrafia, especialmente na mídia, para o fetiche. O advento do acesso
popular à Internet levou à criação de sites e fóruns que permitem que os produtores profissionais WAM
para mostrar seu material para amadores e em fotos de câmbio.
Monumentofilia

Também estatuofilia, é a atração sexual por monumentos. Os sexólogos e psicólogos que admitem a
existência dessa forma específica de fetichismo procuram explicá-la pela glorificação da superioridade
material representada pela imponência das estátuas. Assim, poderiam associar-se à figura paterna ou
materna, servindo à exteriorização de impulsos sexuais deformados por conflitos do Complexo de Édipo.
Mordaça

Tipo de gag utilizado para impedir a fala da escrava (diferente dos “Gag, GagBalls”, “arreios” e
“mordedores” que tem a  função maior e humilhante de fazer a escrava salivar).
Mumificação

Prática de se imobilizar a escrava, enrolando seu corpo com ataduras, plástico, filme de PVC transparente
(Magipack), ou congênere, impossibilitando qualquer movimento. Cuidado especial deve ser tomado
para se evitar asfixia (...). A mumificação é freqüentemente usada para aumentar a sensação de total
desamparo corporal, e incorporada ao jogo de sensações .
Munch

Reunião BDSM em local público, sem cenas, organizada com o fim de possibilitar que as pessoas se
conheçam e/ou discutam sobre a filosofia BDSM.